Trator BR – “Floresta Armada” 

Anúncios

Ufrat: alienação e massa de manobra são os temas abordados na música “Annihilator of Minds” recém liberada no YouTube

Um dos grandes males da sociedade é a alienação imposta pelas grandes mídias televisivas de todo o mundo, o conceito por trás de “Alienação” é a diminuição da capacidade dos indivíduos de pensar ou agir por si próprios, ou seja, indivíduos alienados não têm interesse em ouvir opiniões alheias e apenas se preocupam com o que lhe interessa.

 

Esse tem é frequentemente abordado nas músicas de várias bandas ao redor do mundo, comprovando que independente da evolução tecnológica, social e até mesmo cultural, a alienação também evolui e mantém o ser-humano ainda mais escravo de seu autoconhecimento e controle de suas ações.

 

A banda de Thrash metal, Ufrat, vem destrinchando o conceito individual das músicas que compõem o álbum “Global Devastation” lançado em 2016, após apresentar os conceitos das músicas “Smell of Death” e Unceasing Torment”, o grupo liberou a música “Annihilator of Minds” em seu canal do YouTube e leva aos fãs todo o conceito criado como crítica a atual realidade televisiva do país.

 

“Annihilator of Minds” fala sobre a influência que a mídia-televisiva tem sobre as pessoas, tirando a consciência daqueles que estão sendo usado como massa de manobra, sugerindo ideias e manipulando-os como fantoches, a mídia é encarada na letra da música como a criadora de situações sociais que geram pânico coletivo ou euforia massiva, gerando falsas expectativas. A banda Ufrat teve todo o cuidado de pesquisar e entender que geralmente as grandes mídias massivas possuem cunho com políticos ou milionários da indústria de manobra que interferem e criam o sensura “branca”, ou seja, aquela que ninguém vê, mas que sabem que está lá.

 

Confira a música Annihilator of Minds:

https://www.youtube.com/watch?v=24OJ1eY3x_k

 

Formação:

Caio – Vocal

Alex – Guitarra

Ivan – Bateria

Marcelo – Baixo

Mais informações:

Facebook: https://www.facebook.com/Ufrat-537000909645686/

Roadie Metal Press: https://roadie-metal.com/press/ufrat

Seventh Sign From Heaven: dia 18 de novembro banda oficializa lançamento oficial do primeiro disco com um super show na cidade de Picos/PI

O Nordeste continua sua saga incansável de revelar grandes músicos e bandas de Metal, sendo considerado por muitos um dos principais expoentes do estilo, grupos de várias vertentes surgem e mostram a qualidade e força que nosso país possui quando o assunto se trata de música pesada.

 

Formada no estado do Piauí, uma nova banda surge com força e músicos talentosos que elevam a bandeira do Heavy Metal Tradicional, o Seventh Sign From Heaven, já possui um EP lançado fisicamente e vem se preparando para disponibilizá-lo nas principais plataformas de Streaming do mundo. Intitulado de “Judment of Egypt” o primeiro registro do grupo possui cinco faixas e foi lançado recentemente e vem ganhando força perante os fãs.

 

Em comemoração ao lançamento do álbum, a banda, informou a realização de um evento na cidade de Picos/PI para oficializar o lançamento do EP “Judgement of Egypt” com um show repleto de muito bom gosto e música pesada.

 

O show irá ocorrer dia 18 de novembro no “Empório Beer” na cidade de Picos/PI, antes do show da Seventh Sign From Heaven, o músico Ezequial Veloso será o encarregado de fazer a abertura do evento. Os ingressos estão sendo vendidos por R$15,00 ou R$10,00 mais 1kg de alimento não perecível.

 

Mais informações sobre o evento, basta entrar em contato com a banda Seventh Sign From Heaven pelo link abaixo:

https://www.facebook.com/seventhsignfromheave/

 

Affront: banda fecha lançamento de Angry Voices e novo disco com gravadora francesa

O álbum “Angry Voices” do grupo Affront foi lançado oficialmente de forma independente em janeiro de 2017, nesses meses após o lançamento do disco, a banda vem recebendo críticas positivas do trabalho e alcançando visibilidade de produtores, mídias, fãs e gravadoras internacionais, que buscam uma aproximação direta junto ao trabalho da Affront.

Affront -.jpg

Dentre as várias propostas surgidas nesse tempo, o vocalista e fundador da Affront, M. Mictian, acaba de assinar com a gravadora francesa “PolyMorphe Recs” o lançamento do álbum “Angry Voices” em toda a Europa no mês de janeiro de 2018, incluindo duas faixas bônus e um novo álbum que será lançado com exclusividade pela “PolyMorphe” em novembro do mesmo ano.

https://www.youtube.com/watch?v=TbhhWkrS2fw

Affront é uma banda surgida na cidade do Rio de Janeiro que executa em suas linhas um Thrash/Death pesado e sombrio, a banda liderada por M. Mictian (Unearthly) vem se apresentando constantemente em vários festivais no país e atualmente prepara seu tour internacional para o ano de 2018.

Atualmente o Affront é formado por:

M. Mictian: Vocal/Baixo

R. Rassan: Guitarra

Thiago Caneda: Bateria

Mais informações:

Facebook: https://www.facebook.com/affrontmetal/

Roadie Metal Press: https://roadie-metal.com/press/affront/

Coletânea Rock Out Of The Box [Volume – I]: baixe a coletânea gratuitamente

É com imensa honra e satisfação que apresentamos a coletânea Rock Out Of The Box volume 01. O compilado conta com 13 bandas nacionais de diversos estilos entre eles rock n’ roll, hard rock e heavy metal. Após vários dias de planejamento, enfim o material vira realidade, graças ao apoio das bandas que nos ajudaram nesse planejamento. O mesmo está disponível em algumas plataformas digitais, como também para download no nosso site.

CAPA 02.jpg

Track List:
01. Salário Mínimo – Fatos Reais
02. Metalmorphose – A Cobra Fumou
03. Harppia – Black Joe
04. Arandu Arakuaa – Nhandugûasu
05. PSD (Pesadello) – Todo Mundo Pode
06. Dancing Flame – Warriors Path
07. Pop Javali – Hollow Man
08. Broken Jazz Society – Mongrel Cat
09. Magister – The Endless Path
10. Transcendent – Second Breath
11. Apple Sin – Sea Of Sorrow
12. Atlantis – Lost In Time
13. Guilherme Costa – Come On And Play
Para ouvir, basta visitar os links abaixo:
Acompanhe o Programa Rock Out Of The Box através das redes:
Acompanhe a Cangaço Rádio Rock através das redes:

​Fonte: Cangaço Rádio Rock/Cangaço Rock Comunicações

Após um ano e três meses, banda Morcrof volta aos palcos.

No domingo (15), a lendária banda paulistana de Dark Metal Morcrof, uma das mais antigas e conceituadas bandas de metal extremo nacional, volta aos palcos depois de um ano e três meses. O evento marcou a estreia da nova formação, composta por Eziel Kantele-Väinö, Vocal; Bruno Brahmms Kermanns, teclados; R’Bressan e Cleber Borges, nas guitarras; Paullus Moura, Contrabaixo / B.Vocal; R’Herton na bateria.

O show foi realizado no Manifesto Bar em São Paulo e contou com a participação de grandes nomes do metal nacional: Malefactor (BA) e Final Disaster (SP).
“A Estreia foi muito boa! Estávamos um pouco ansiosos pra subir logo no palco e sentirmos a nova formação em ação depois de alguns meses de trabalho árduo. Nesse período, não conseguimos ensaiar  cinco vezes com a formação completa e por conta disso, houve um empenho e comprometimento de todos para que pudéssemos fazer uma apresentação minimamente aceitável. Na verdade, o convite para tocarmos nos pegou um pouco desprevenidos, pois não tínhamos repertório e nem estávamos completamente seguros em algumas passagens das músicas. Aceitamos participar motivados pelo desafio e, sobretudo, por tocarmos com a Malefactor, irmãos nossos muitos anos. Foi a primeira vez também que tocamos no Manifesto Bar, e o equipamento de lá ajudou muito, deu segurança… ”, comenta Paullus Moura, baixista da banda.
Confira o vídeo ao vivo da faixa “existentia imperfecta es”, gravado no Manifesto Bar (SP):

https://youtu.be/ehd_bc4Sw9k

Contato: morcrof@hotmail.com

Links relacionados:

www.soundcloud.com/morcrof

www.facebook.com/morcrofdarkmetal/

www.morcrofdarkmetal.bandcamp.com/

www.youtube.com/channel/UCr3849Wewn3fCnwFwse0aDQ

Assessoria de Imprensa: www.facebook.com/cangacorockcomunicacoes/

Fonte: Cangaço Rock Comunicações

R.I.V. Prog-Core “Welcome to Prog Core” (2016)

A banda R.I.V. Prog Core (Rhythms In Violence), foi formada em Belo Horizonte no ano de 1988, permanecendo ativa até 1996.

A formação original voltou para a gravação da DEMO “Welcome to Prog-core” (se desfazendo logo após) e nos entrega 4 faixas virulentas.

Criadores do estilo Prog Core, eles não se limitam apenas ao Progressivo e o Hardcore, há também umas pinceladas de Thrash Metal e Crossover, resultando em um som agressivo e áspero.

As 4 faixas captam perfeitamente a ideia da banda. Mesmo que a princípio seja um pouco confuso tantos riffs rápidos e variados com constantes quebras de ritmo, o som do grupo cativa a audição já de primeira.

Destaque para a insana “Freaks in Action”, essa faixa é sobrehumana.

Formação:
Helbert de Sá – vocal
Cláudio Freitas – guitarra
Rodrigo Boechat – baixo
Ricardo Parreiras – bateria

Músicas:
01 – Headache
02 – Animal
03 – Freaks In Action
04 – No… P.A.S.

Top 5: Judas Priest

#5 – Sad Wings of Destiny (1976)

O segundo álbum dos britânicos nos mostra uma abordagem diferente da apresentada em seu début.

Com uma pegada mais agressiva, veloz e uma técnica melhor ultilizada, esse álbum esboça o que se tornaria o Speed Metal da próxima década.

#4 – Brtish Steel (1980)

Com este trabalho o Judas Priest quebrou as correntes daquela sonoridade Blues progressiva clássica dos anos 70, trazendo um som cru e direto, muito mais rápido e agressivo que seus antecessores.

#3 – Painkiller (1990)

Depois de um álbum mais direcionado ao pop comercial da época e outro muito mal produzido, Painkiller é um verdadeiro resgate.

Evoluindo e adaptando-se ao estilo que ajudaram a criar, a banda atinge seu ponto máximo (técnica, composição, performance) e nos entrega um dos maiores clássicos do gênero.

#2 – Screaming For Vengeance (1982)

Resultado do amadurecimento da banda, sem vacilos, com composições firmes e muita musicalidade. Uma das melhores produções da discografia da banda. A voz de Halford estava perfeita. Possui um peso cristalino e arranjos inspiradíssimos.

#1 – Defenders of The Faith (1984)

É como um British Steel mais denso, de som mais escuro, mas com a mesma energia. A performance de K.K. Downing e Glen Tipton é uma das melhores daquela década. É um álbum do nível de Painkiller, com mudanças apenas de técnica, mas aqui o Judas Priest estava em sua plenitude caminhando com soberania pela estrada que ajudou pavimentar.